Você está aqui:

Ter acesso a Educação das Relações Étnico-Raciais

Atualizado em 21/02/2020 às 16:24

O que é

A Educação das Relações Étnico-raciais configura-se como uma ação educacional de atendimento direto à demanda da população afrodescendente, por meio da oferta de políticas de ações afirmativas e pedagógicas inscritas na educação básica. Ela pode ainda ser entendida como  políticas de reparações, reconhecimento e valorização de sua história, cultura e identidade associadas ao contexto de aprendizagem escolar. Esse serviço é composto por proposição de conteúdo curricular de abrangência das dimensões históricas, sociais e antropológicas inerentes à realidade brasileira, e por ações de reformulação pedagógica que possam ressignificar o processo de aprendizagem dos estudantes, sobretudo da população negra, por meio do reconhecimento identitário e de valorização sociocultural. No âmbito social, a Educação das Relações Étnico-raciais atua como estratégia de combate ao racismo e violências de caráter epistemológico.  

Quem pode utilizar este serviço?

Agentes escolares, estudantes de todos os níveis/ etapas e modalidades de ensino, membros colegiados, comunidade escolar.

Órgão responsável

Secretaria de Estado de Educação - SEE

Etapas para realização deste serviço

1
Maricular o estudante

Efetivar matrícula online, pelo cadastramento escolar.

Documentação

Documentos pessoais dos pais/responsáveis, comprovante de endereço e certidão de nascimento do estudante. Poderão ser solicitados outros documentos que a secretaria escolar julgar necessário a título de comprovação de responsabilidade legal pelo estudante ou de endereço. 

Valor

Gratuito

Canais de Prestação

Presencial

Superintendências Regionais de Ensino (endereços abaixo).

Secretaria escolar localizada na própria escola.

Quanto tempo leva?

Todo o período em que o(a) estudante(a)  estiver matriculado(a) em um dos níveis ou etapas da educação básica na Rede Estadual de Ensino.

 

Outras informações

 

Configuram objetivos da Educação das Relações Étnico-raciais em Minas Gerais – ERER:

 

  1. Fomentar e articular ações pedagógicas que assegurem o cumprimento do disposto nas Leis Federais 10.639/2003 e 11.645/2008 e em suas Diretrizes Curriculares Nacionais;
  2. Estimular e apoiar projetos e ações pedagógicas de combate às práticas racistas nas escolas da rede;
  3. Estabelecer parcerias com Movimentos Sociais, ONGs, Universidades e Sociedade Civil para a realização de seminários, palestras, conferências formativas, eventos de sensibilização e oficinas de conscientização sobre História da África e temas correlatos, tendo como público estudantes e docentes da rede estadual de ensino;
  4. Difundir o conceito e estimular a reflexão acerca do racismo institucional e favorecer a construção de estratégias de combate contra essa prática no contexto da Secretaria de Estado de Educação e instituições de ensino da rede estadual.
  5. Estimular e apoiar práticas pedagógicas voltadas para a valorização da cultura e história dos povos tradicionais, sobretudo, daqueles com representatividade no território mineiro.
  6. Intermediar os processos de revisão dos materiais didáticos e paradidáticos e curriculares existentes ou a serem adquiridos pelas unidades escolares, além de subsidiar os processos de reflexão e intervenção pedagógica frente às práticas racistas, por vezes naturalizadas, que acontecem nas instituições que compõem a rede estadual de ensino.
     

Dúvidas frequentes

 

  1. Como diferenciar o bullyng  e violência escolar da prática de racismo, preconceito e discriminação racial?

 

Violência Escolar e  Bullyng:

A violência escolar engloba violência física, incluindo castigos corporais; violência psicológica, abuso verbal; violência sexual, violações e assédio; e bullying,  cyberbullying.

O bullying, que é um tipo de violência, tem um padrão de comportamento e não um evento isolado. ( UNESCO e pelo Institute of School Violence and Prevention at Ewha Womans University para o Simpósio Internacional sobre Violência Escolar e Intimidação: Da Evidência para Ação, realizado em Seul, República da Coréia, entre os dias 17 e 19 de janeiro de 2017).

A Lei nº 13.185, em vigor desde 2016, classifica o bullying como intimidação sistemática, quando há violência física ou psicológica em atos de humilhação ou discriminação. A classificação também inclui ataques físicos, insultos, ameaças, comentários e apelidos pejorativos, entre outros.

 

Preconceito e  Discriminação Racial:

 

O preconceito é um julgamento negativo e prévio dos membros de um grupo racial de pertença, de uma etnia ou de uma religião ou de pessoas que ocupam outro papel social significativo. Esse julgamento prévio apresenta como característica principal a inflexibilidade pois tende a ser mantido sem levar em conta os fatos que o contestam . Trata-se do conceito ou opinião formados antecipadamente, sem maior ponderação ou conhecimento dos fatos. O preconceito inclui a relação entre pessoas e grupos humanos. Ele inclui a concepção que o indivíduo tem de si mesmo e também do outro.  (Gomes, 2005 p.54)

Apesar da lógica da razão que afirma a igualdade entre as raças/étnias, congregadas na dimensão da raça humana, ainda predomina, a construção do imaginário e representações coletivas negativas sobre o negro  na nossa sociedade. Considerando que esse imaginário e essas representações, foram construídas, no contexto brasileiro,  a partir do regime escravocrata que legitimava o lugar dos negros e como inferiores na configuração social e que, mesmo com o processo de abolição, essa noção de inferioridade se estende ao mecanismos sociais de acesso aos bens materiais e culturais, a discriminação racial apoia-se nesta lógica para balizar as relações sociais entre negros e não-negros. (Kabemgele, 2005)  

 

Racismo:

O racismo é um comportamento, uma ação resultante da aversão, por vezes, do ódio, em relação a pessoas que possuem um pertencimento racial observável por meio de sinais, tais como: cor da pele, tipo de cabelo, etc. Ele é por outro lado um conjunto de idéias e imagens referentes aos grupos humanos que acreditam na existência de raças superiores e inferiores. O racismo também resulta da vontade de se impor uma verdade ou uma crença particular como única e verdadeira (Gomes, 2005 p. 52) .

Do racismo advém barreiras sociais, culturais, econômicas e políticas baseadas na existência da  diversidade étnica e racial (Kabemgele, 2005)  que resultam em processos discriminatórios, segregatícios e marginalizantes da população negra.

Racismo Institucional:

Implica práticas discriminatórias sistemáticas que  se manifestam sob a forma de isolamento dos negros em determinados bairros, escolas e empregos. Estas práticas racistas manifestam-se, também, nos livros didáticos tanto na presença de personagens negros com imagens deturpadas e estereotipadas quanto na ausência da história positiva do povo negro no Brasil. Manifestam-se também na mídia (propagandas, publicidade, novelas) a qual insiste em retratar os negros, e outros grupos étnicos/raciais que vivem uma história de exclusão, de maneira indevida e equivocada (Gomes, 2005  p.53) .

2) Como proceder em caso de racismo e discriminação racial na escola?

  1. Criar e disponibilizar canais internos de comunicação de práticas de racismo e discriminação racial, conferindo ao denunciante o direito de expressar-se sem retaliações e/ou comprometimentos em sua trajetória escolar e seu convívio social no ambiente escolar.
  2. Proceder às oitivas necessárias, de maneira individualizada, favorecendo a coleta de dados e informações sobre o ocorrido.
  3. Realizar o registro em ata das oitivas realizadas
  4. Informar às vítimas sobre o direito de prestar queixa frente ao ocorrido em uma delegacia de polícia conforme preconiza o art. 5° inciso XLII, determina que “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito de reclusão nos termos da lei da Constituição Federal de 1988.
  5. Comunicar à Superintendência Regional de Ensino sobre o ocorrido e aguardar orientações específicas.
  6. Elaborar plano de intervenção pedagógica com enfoque na reflexão acerca das causas e consequências do racismo e da discriminação racial no contexto escolar e no âmbito da sociedade brasileira.
  7. Acompanhar os envolvidos no processo de modo a encaminhar a atendimentos específicos, com profissionais da saúde e psicologia, assistência social e/ou conselho tutelar, quando assim for necessário.